domingo, 27 de setembro de 2009

Pagando mico

Já fazia um bom tempo em que eu não pagava meu micos. Aliás isso já estava me deixando preocupada, porque "miqueira" que se preze não vive muito tempo sem dar suas gafes. Enfim...

Na sexta feira, eis que para no ponto um ônibus velho pracacildes, azul e sem nome, tinha apenas o número da linha. Então, eu entrei tranquilamente, escolhi um lugar à janela e lá fui eu. Paisagem vai, paisagem vem e lá estou eu viajandona no busu. Isso porque tenho trabalhado demais. Estou realmente cansada. E eu que pensei que ser funcionária pública iria ser tudo, tipo: trabalhar pouco, faltar horrores e ganhar bem demais. Uaaaaaaaaaaaia, socooooorro!! Não aconteceu nada disso. Além de trabalhar dobrado, não ter aumento, ainda continuo pobre andando de busão para dar aulas na roça. :S

Mas, voltemos ao mico. De repente eu começo observar que estava andando por lugares desconhecidos, vi uma Igreja Batista do Parque Bela Vista, depois colégio da prefeitura da Bela Vista, acontece que eu nunca tinha estado antes nessa tal Bela Vista, mas como era a primeira vez que eu pegava aquele ônibus, estava esperando passar por um ruas próximas do meu ponto - sim, eu desço no ponto final, são praticamente 45 minutos de viagem. E nada, nada, nada...

Lá pelas tantas, o trocador desce, todo mundo desce, só fica eu e o motorista. Olho no relógio, já estava atrasadíssima. Foi aí que caiu a ficha... ACHO QUE TÔ PERDIDA!! daí perguntei ao motorista, está muito longe do bairro da Penha? Ele com uma cara de bu##@@: Já ficou lá atrás faz muito tempo. Nós já estamos de volta pra cidade.

PÂNICO TOTAL!!!! PARA TUDO QUE EU QUERO DESCER!!!!!!!! Daí ele me sugeriu que eu descesse fosse a pé até a próxima rua, dobrasse e esperasse uma condução passar. Tinha outro jeito??? E lá fui eu andando a pé no lamaçal, sentei num banquinho fuleiro até que passou a primeira van. Abri um sorriso maior que o mundo. Acabei tendo que contar ao motorista que estava perdida e ele me deixou ir de graça. Ainda bem que existem pessoas boas nesse mundo.

Nunca mais pego aquele ônibus velho azul.

3 comentários:

Carol by Carol disse...

olha, eu vivo fazendo isso..
heheheh
abafa!

Flavinha Mel disse...

Mico? Vou te falar o que que é mico. Se você se considera a rainha deles, terá uma grande concorrente agora:

Estava eu, trabalhando como "CAN I HELP YOU" - auxiliar de auto-atendimento de um banco (na época da facul)e minha amiga diz:

- Flavinha, meu pai tá la embaixo. Tô enrolada aqui, chama ele pra subir?!

- Ok Alessandra.

Vou eu até o primeiro andar e encontro duas pessoas, uma sentada e a outra de pé, visivelmente aguardando alguém ou alguma coisa. Logo vi um senhor que parecia se o pai dela, com bigode, cabelos curtos pretos e de certa forma mal vestido, mas também a Alessandra nunca foi das mais fashionistas do banco. Pai da Alessandra. Me dirigi a ele que estava de pé e disse:
- O Sr. que é o pai da Alessandra?
De repente, ouvi a resposta que veio da pessoa que estava sentada:
- EU sou o pai da Alessandra, ela é a mãe (se referindo a pessoa que estava de pé, a quem eu havia feito a pergunta)

Simplesmente não entendi e fiquei olhando com cara de panaca para os dois e, por fim, percebi que aquele que eu pensava ser homem (afinal tinha até mesmo bigode!!!!!)era na verdade a mãe da Alessandra...

PS: Assim como seu ônibus azul, gostaria imensamente de ter uma foto para ilustrar minha pequena história.

Gisa disse...

Os micos são uma coisa divertida depois de algum tempo, ou quando acontecem com os outros (que nada, eu fico morrendo de pena, sei o que é isso, já passei por vários...) Beijos